Alguns animais podem apresentar lesões na cauda, acidentais ou não. Muitas vezes, é difícil evitá-las, mas elas merecem atenção e requerem alguns cuidados. Existem diferentes tipo lesões de cauda, portanto devem ser tratadas de forma diferentes.

Cauda com lesões de pele

Por ser um local com pouca massa muscular, muito osso, e pouca irrigação de sangue, as lesões de pele na cauda devem ser tratadas com muito cuidado, pois podem evoluir para necrose ou, se o animal perder muita pele, para a amputação, parcial ou total da cauda, dependendo da localização da ferida.

Este tipo de lesão pode ser resultado de atropelamentos, brigas, agressões, ou até mesmo causada pelo próprio animal quando se coça muito e são comuns em cães com caudas longas e musculosas, que ficam batendo o tempo todo nas coisas, como dogue alemão, fila brasileiro, pointer, entre outros. Nestes casos, muitas vezes a única forma de tratamento é a amputação da extremidade da cauda.

Em animais de áreas mais rurais, são comuns as lesões de pele por picadas de insetos (geralmente moscas) e elas podem evoluir para feridas mais graves e até a famosa “bicheira”.

Lesões ósseas no rabo

Nos cães, de modo geral, as fraturas na cauda não requerem tratamento.  É necessário apenas controlar a dor do animal. Não é necessário colocar talas e também não são realizadas cirurgias. O mesmo se aplica para as luxações. O resultado pode ser, na pior das hipóteses, um desvio na cauda.

Já nos gatos, esse tipo de lesão merece mais atenção, pois dependendo da localização, pode causar problemas neurológicos, como dificuldade para se locomover, paralisia da cauda e dificuldades para urinar e defecar.

De todos os problemas neurológicos causados pela lesão da cauda dos gatos, a dificuldade para andar é a menos importante, pois apesar de ter dificuldades de subir em alguns lugares, com o passar do tempo, o animal pode se adaptar a nova forma de andar.

O mais importante é a paralisia da cauda, pois como ele não sentirá mais essa parte do corpo, pode prendê-la em algum lugar, queimar e se machucar sem perceber. Isso pode causar feridas com potencial para contaminação e resultar na necessidade de amputação da cauda.

A dificuldade de urinar e defecar também pode ser um problema, pois além de deixar o animal mais sujo, é capaz de causar infecções urinárias que podem se complicar e evoluir para infecções renais.

Apesar da cauda parecer um órgão de pouca importância, lesões nela podem ser mais graves do que aparentam. Muitas pessoas atribuem o equilíbrio dos gatos à cauda. Sem dúvida ela tem papel importante na locomoção e equilíbrio entretanto, após a amputação, os gatos se acostumam e, desde que preservadas as funções neurológicas, recobram as atividades perfeitamente sem que nem mesmo os donos percebam.

Fonte: Dr. Fernando Ibanez (veterinário)

Tags

 
 

Nenhum Comentário

Você pode ser o primeiro a deixar um comentário!.

Comentar essa Matéria